Início / Artigos / Grandes Textos do Jornal Espaço Espírita / Necessidade e importância dos estudos doutrinários
Rádio Espaço Espírita
Necessidade e importância dos estudos doutrinários

Necessidade e importância dos estudos doutrinários

Necessidade e importância dos estudos doutrinários

André Pinheiro (*)

“E conhecereis a Verdade, e a Verdade Vos Libertará”. – João, 8: 32. A Doutrina Espírita é fonte inesgotável de subsídios para o aperfeiçoamento e a iluminação das consciências. Em seu tríplice aspecto – filosofia, ciência e religião –, oferta ao homem uma série de oportunidades evolutivas, bem como de autoconhecimento e compreensão da realidade que o cerca.

Para o melhor aproveitamento dessas oportunidades de elevação que o Espiritismo nos traz, faz-se necessária a aceitação de um precioso – e prazeroso – convite que a Doutrina nos faz: a busca e a ampliação de nossos conhecimentos.

Publicado por Allan Kardec em 1864, O Evangelho Segundo o Espiritismo tem o seu capítulo VI intitulado “O Cristo Consolador”. Estão aí incluídas algumas instruções do Espírito de Verdade, que também prefacia a obra.

Na primeira comunicação, transmitida em Paris, em 1860, o Espírito de Verdade ressalta: “Espíritas! Amai-vos, eis o primeiro ensinamento; instruí-vos, eis o segundo”. A afirmação, categórica, reveste-se de grande relevância para nós, integrantes do movimento espírita. Com ela, o Espírito de Verdade coloca, ao lado da necessidade de desenvolver nossa capacidade de amar, o aprimoramento da compreensão acerca da Doutrina como uma das condições essenciais para que possamos experimentar, com a máxima plenitude, os resultados do Espiritismo sobre as nossas vidas.

Conseqüência natural do contato com a Doutrina, o impulso de aprender sempre mais pode ser facilmente atendido por qualquer um de nós. Para isso, basta apenas vencer o comodismo e a passividade e buscar a inserção em grupos de estudo ou, conforme o caso, a participação em palestras públicas, cursos e seminários, disponíveis em todos os centros espíritas.

Além dos estudos coletivos, com trocas de informações, discussões fraternas e salutares, é oportuno ainda ressaltar a importância da leitura e da pesquisa realizadas de forma individual. A esse respeito, vale a pena recordar a oportuna recomendação do espírito André Luiz, na obra Conduta Espírita, psicografia de Waldo Vieira: “Consagrar diariamente alguns minutos à leitura de obras edificantes, esquecendo os livros de natureza inferior e preferindo, acima de tudo, os que, por alimento da própria alma, versem temas fundamentais da Doutrina Espírita”.

Para isso, também não é preciso ir muito longe, já que a literatura espírita nos oferta inesgotáveis opções. Das obras de Kardec – os pilares da Doutrina que todos, inevitavelmente, devemos conhecer – até as psicografias de Divaldo Pereira Franco e Francisco Cândido Xavier, passando pelos contemporâneos da Codificação, como Ernesto Bozzano, Gabriel Delanne e León Denis, sem citarmos uma série de outros autores, encontramos esclarecimentos para todas as nossas dúvidas.

Tópicos como vida espiritual, mediunidade, obsessão, sexualidade e reencarnação, entre outros, são facilmente explicados nos livros espíritas. São páginas de conteúdo científico, que nos orientam; mensagens fundamentadas no Evangelho, que consolam e exortam à prática do bem; narrativas que desvelam a vida na espiritualidade; romances que exemplificam, com ensinamentos de cunho moral.

Patrimônio inalienável do espírito, o conhecimento impulsiona a sua libertação ao longo da trajetória pelos caminhos da evolução. Essa conquista, no entanto, exige aplicação, como nos lembra, novamente, André Luiz: “Disciplinar-se na leitura, no que concerne a horários e anotações, melhorando por si mesmo o próprio aproveitamento, não se cansando de repetir estudos para fixar o aprendizado”.

(*) André Pinheiro é jornalista. Esse texto foi originalmente produzido para o jornal Espaço Espírita número 19, de março a maio de 2007. 

Crédito: Foto Mundo Maior Filmes

 

Rádio Espaço espírita

Sobre admin

Veja Também

Ignácio de Antioquia

Ignácio de Antioquia, uma saga do Cristianismo Primitivo

Ignácio de Antioquia, uma saga do Cristianismo Primitivo Livro de 544 páginas ditado ao médium …